Bolo Crumble de Marmelo e Nozes


Outono. Que venha para ficar. Com chuva, folhas no chão, e tons dourados no pomar. Com bolos perfumados com os sabores da estação.
Quando penso no Outono é isto que me vem à cabeça, um bolo no forno que perfuma toda a casa. Esta é altura de recolher, de regressar ao interior e saborear a casa com as coisas boas que trazemos do pomar. As maçãs, as pêras, os marmelos, os diospiros, as romãs e as nozes ganham vida na cozinha. E é tão bom passar o dia a aproveitar o conforto e o prazer de viver devagar, enquanto se prepara um bolo simples, com cheiro a canela e fruta do pomar.

Este bolo de marmelo e nozes é perfeito na sua imperfeição. Rústico e super perfumado, os sabores e a textura são de Outono, são a estação para fatiar. É um bolo ideal para lanches e até pequeno-almoço, delicioso com uma chávena de chá fumegante. 
Um bolo de conforto. Que ficou queimado nas pontas, porque eu sou distraída e até gosto das bordas bastante crocantes.
Que servi num prato lindo, oferecido por uma pessoa tão doce e especial como a Patrícia do Coco e Baunilha. Ela que me inspira tanto.
E que partilhei com a minha família e amigos do coração, que tenho a sorte de ter aqui tão perto.








Bolo Crumble de Marmelo e Nozes
(receita adaptada do blog Vegetarian Ventures)

1 chávena de farinha trigo
1 chávena de farinha de trigo integral
1 colher (chá) de fermento
1 colher (chá) de canela
pitada de sal
2 ovos caseiros
1/2 chávena de açúcar mascavado
1/2 chávena de maple syrup
1 chávena de iogurte grego natural
1/3 chávena de azeite suave

Para o topping:
2-3 marmelos descascados e fatiados finamente
1/2 chávena de açúcar mascavado
1/2 chávena de farinha trigo
pitada de canela
1/4 chávena de nozes picadas
1/4 chávena de manteiga fria e em cubos

Para servir:
iogurte grego natural
nozes e canela


Preparação

Pré-aquecer o forno a 180ºC e untar uma tarteira funda ou forma redonda com manteiga e reservar.
Preparar o crumble, misturando todos os ingredientes do topping numa taça, excepto os marmelos, e esfregar com as pontas dos dedos até a manteiga se incorporar nos outros ingredientes e obter algo semelhante a areia grossa. Reservar.
Entretanto numa taça grande colocar os ovos e o açúcar mascavado e bater com a batedeira eléctrica até ficar uma massa espumosa e volumosa, adicionando depois o azeite, maple e iogurte e voltando a bater até ficar homogéneo.
Adicionar depois as farinhas, fermento, canela e sal e envolver muito bem na massa.
Colocar a massa do bolo na forma preparada, espalhar as fatias de marmelo pela superfície, enterrando ligeiramente na massa e por fim colocar o crumble nos espaços entre os marmelos.
Levar ao forno até cozer (teste do palito). Servir morno ou frio, com um pouco de iogurte grego, nozes picadas e salpicado de canela.

Nota:
A meio da cozedura pode ser necessário colocar uma folha de alumínio a tapar o bolo para não queimar. Pode usar maçã (sem descascar) em vez do marmelo.

Bom Apetite!




One Pot Pasta



Estamos em época de transição. De estações. E de sentimentos. Acho que fico muito emotiva nesta transição do verão para o outono. Por um lado não quero que o verão acabe, com todos os seus produtos, legumes e frutas que adoro, não quero deixar de usar sandálias e manga curta ao sol, quero os dias longos e banhos no mar, quero andar lá fora na horta até ser noite e sem frio. Mas por outro lado, chega o outono carregado de emoções, de sensações. Acho que é uma estação de sentir, para sentir na alma, que começa a querer aconchego e conforto. As cores verdes que passam a douradas, os novos produtos da terra, os cheiros que se intensificam com as primeiras chuvas. 

O estar nesta transição de estações que amo deixa-me sempre um pouco nostálgica, deixa-me mais emotiva e atenta às pequenas coisas na terra e no que me envolve. Quero ver tudo em pormenor, quero fazer parte dela, sentir a mudança de forma suave e em modo lento. Viver cada detalhe, cada folha que cai, cada raio de sol que toca nas árvores. Viver o momento, o presente, as pequenas coisas cada vez mais. Cá dentro está tudo demasiado emotivo, mas com esperança. Nesta transição. Em tudo o que está para vir.

E com os primeiros dias mais frescos que anunciam o outono, chega a vontade de uma comida de conforto. Um prato de pasta, prático e rápido, e não menos delicioso. Daqueles que se fazem numa só panela, com tudo ao mesmo tempo porque o tempo foge. Vamos buscar à horta o que resta do verão, as últimas curgetes e os últimos tomates maduros e colocamos tudo na panela de ferro da Staub. Deixamos cozinhar, criar um molho bem cremoso e servimos bem quente com queijo ralado na hora. Delicioso e perfeito para as noites frias desta transição. 








One Pot Pasta (de Verão)

300 gr de massa talharim (ou outra)
1 cebola roxa fatiada
1 dente alho fatiado
2 tomates chucha fatiados e em cubos
1 chávena de tomates chucha mini
4-6 cogumelos frescos fatiados
1/2 curgete verde fatiada
1/2 curgete amarela fatiada
sal q.b.
azeite q.b.
manjericão fresco q.b.
500-600 ml de água quente
parmesão ralado q.b.


Preparação

Numa panela bem larga colocar a massa inteira ou partida ao meio, a cebola, alho, tomates, cogumelos e curgetes. Salpicar com um pouco de sal a gosto, um fio de azeite e algumas folhas de manjericão. Colocar ao lume e ao mesmo tempo adicionar a água quente, de forma a que fique quase tudo coberto de água mas sem exagero (para não ficar demasiado aguado no fim da cozedura). Tapar e deixar ferver. Passado um bocado retirar a tampa da panela e ir mexendo ocasionalmente, deixando cozinhar por uns 10 minutos, até a massa cozer, a água quase desaparecer e se formar um molho cremoso com o tomate.
Fora do lume ralar parmesão a gosto e envolver na massa.
Servir de imediato com manjericão fresco, tomate mini chucha e mais parmesão.

Bom Apetite!







Cheesecake raw de Caju e Mirtilos



Um cheesecake raw, vegan e mega delicioso, de um dos meus livros preferidos. Sabem aqueles livros de culinária especiais e que sabemos que vão ficar para sempre? Esta receita vem de um desses livros. Da querida e sempre sorridente Joana Alves aka Miss Vite, o livro "Natural" (o qual tenho autografado e com uma dedicatória toda catita).

É dos livros mais completos e com o qual aprendi e aprendo sempre mais, sobre alimentação saudável e vegetariana. E com fotografias lindas de morrer. As receitas que já fiz foram mais que muitas, desde o chá dourado (foi com este livro que o experimentei pela primeira vez), a granola de maçã, as panquecas de trigo sarraceno, o requeijão de amêndoa, o pão recheado com funcho caramelizado, o chilli 3 feijões, o esparguete de beterraba assada entre outras. Dá fome não dá? Adoro e recomendo, mesmo a não vegetarianos.

Ainda não tinha experimentado este cheesecake raw de caju e mirtilos do livro. Estava na lista do "a fazer" há imenso tempo. Gosto imenso da receita, e acho-a muito mais equilibrada que outros cheescakes raw que vejo em outros livros ou na net. Talvez pela base ser menos calórica que outras carregadas de frutos secos. Faz-me mesmo muito mais sentido. E assim que o provei notei logo essa diferença. Como é leve, fresco e delicioso! E com os mirtilos que eu tanto adoro, e tenho sempre imensos congelados e prontos a usar.
Uma sobremesa perfeita para estes dias de verão!








Cheesecake raw de Caju e Mirtilo

Base:
4 tâmaras medjool demolhadas e sem caroço
75 gr de sementes de girassol demolhadas 1-4h
125 gr de coco ralado
1 colher (sopa) de cacau cru em pó
1 colher (sopa) de óleo de coco derretido
1 colher (sopa) de água fresca
1 pitada de sal

Recheio:
225 gr de cajus crus sem sal demolhados 1-4h
150 gr de mirtilos congelados
4 colheres (sopa) de geleia de arroz
4 colheres (sopa) de óleo de coco derretido
100 ml de água fresca
sumo de 1/2 limão
1 colher (chá) de pasta de baunilha
1 pitada de sal

Decorar:
Mirtilos frescos
Folhas de hortelã


Preparação

Para a base colocar os ingredientes todos num processador e triturar até obter uma massa consistente.
Espalhar a massa numa forma de mola de 20cm de diâmetro, pressionando bem para ficar com altura uniforme. Reservar no frio.
Para o recheio, colocar todos os ingredientes excepto os mirtilos num processador de alimentos e triturar até se obter um creme macio.
Colocar cerca de 3/4 deste creme por cima da base e espalhar bem com a ajuda de uma colher, para que fique uniforme.
Acrescentar os mirtilos congelados ao restante creme e triturar até ficar homogéneo. Espalhar este creme roxo por cima do outro creme, com cuidado e para que fique uniforme.
Tapar com película aderente e levar ao congelador por cerca de 6-8horas.
Para servir, retirar do congelador 30 minutos antes e decorar com mirtilos frescos e folhas de hortelã.

Bom Apetite!